20 maio 2016

Apenas mais um desabafo de uma mãe





Sumi do blog.O ano chegando a metade, e parece que as coisas que deixamos de fazer por uns diazinhos apenas vão se acumulando nas frestas das últimas semanas, deixando nossos dias pesados, nossa rotina mais agitada do que já é, e uma falta de tempo inimaginável. Quando chega a noite, que me dou conta de que já não vai dar tempo de fazer tudo o que eu queria, bate um certo desespero, uma vontade louca de chorar e de jogar um monte de coisas que quebram na parede e sair correndo. Então penso que eu mesma teria que arrumar a bagunça depois e tenho desistido de fazer isso, engulo mais uns sapos e termino o dia exausta, muito exausta, pensando se vou dar conta de tudo no próximo dia. Tem sido assim, acordo universidade, chego da universidade trabalho, chego do trabalho universidade. Se apenas EU e somente EU estivesse pegando seis vezes o ônibus durante o dia, mas adivinhem? O Pedro está comigo nessa. Todos os dias marcando presença nas aulas chatas e cansativas do curso da mamãe. E em outra língua! Me parte o coração escutar : ai mamãe, não aguento mais ingês ( falando da língua estranha que escuta nas aulas- o espanhol e o latim). 

A realidade é : Nem sempre dou conta de tudo no dia seguinte e eu já tenho tanta intimidade com esse fato em minha vida que antes de dormir já me sinto frustrada pelo dia que nem raiou.

A maternidade é sim muitas vezes exaustiva, sem sombra de dúvidas, mas não dá pra voltar atrás ou simplesmente desistir,acho que uma das únicas coisas da vida dessa categoria. Sei que não sou a primeira e nem a única mãe a se sentir cansada, a sentir várias vezes esse esgotamento. Sei que alguém nesse mundo materno também tem noites mal dormidas estudando pra dá conta de nove cadeiras da universidade, ou até mesmo com o filho resfriado e\ou chorando dependendo das circunstâncias. Contas para pagar, ficar no pé de um alguém para comer todo o jantar, lembrar das roupas que estão dentro da máquina e que não podem esperar, da comida da semana que você precisa congelar, do planejamento semanal da lancheira pra seu filho não se prejudicar na alimentação, da festinha de aniversário que ta chegando e você ainda não organizou nada, as compras do supermercado, o dentista que vai ficar para o próximo mês de novo, o filho que tira a roupa da gaveta e você precisa arrumar tudo de novo sem um pingo de tempo, o seu filho dizendo : mamãe eu tô cansado! ( essa é de matar!) e você se culpar por uma rotina de cão que está proporcionando á família. 

Esse meses tem sido uns dos mais cansativos da minha vida, sem sombra de dúvida, eu nunca me vi com tantas responsabilidades ao mesmo tempo, nunca me vi com tanta tarefa pra dá conta.Eu sumi das redes sociais. E sem drama, sumi porque não tenho tempo. Não tenho tempo mesmo! Eu cheguei a cronometrar os minutos que eu passo em ócio de uma atividade á outra e vocês acreditam que chegam a ser 20 minutos no máximo, enquanto eu estou no ônibus, a caminho da próxima atividade a exercer. O Pedro é muito independente e isso tem me ajudado bastante, enquanto coloco o almoço dele ele vai me ajudando colocando a cueca e algumas peças da roupa e isso por incrivel que pareca já é o must! 
Sem brincar, as vezes tudo que eu precisava era um colo, um cafuné e um café bem quentinho, eles até poderiam vir com um abraço, dizendo que eu sou uma ótima mãe e que me dedico muito. Quando o Pedro vai dormir, enfim recebo minha massagem nas costas quando vejo a carinha dele dormindo tranquilo ,me deixa aliviada quando chego em casa e ele dorme.

As vezes é fadigante saber que desde os 16 anos não paro de trabalhar, não paro de estudar, não paro de administrar financeiro, minha casa, minhas coisas, enfim. Estou com 24 e a tarefa ainda parece não ter fim. 
Eu parei de escrever aqui e todos os meus projetos aqui do blog que estavam no papel continuaram no papel porque essa mãe cansada que vós fala existe, e existe apenas porque a gente tenta ser melhor a cada dia, a gente quer dar a felicidade para nossos filhos, a gente quer a felicidade para nós, a gente quer estar presente em todos os momentos da vida deles, e quer que tudo corra bem. Mesmo sabendo que a perfeição não existe, que ninguém é feliz 100% do tempo, a gente se mata para buscar a nossa realização e a realização da nossa família.

Se nada está dando muito certo, se você chorou, se gritou com seu filho(a), se deu vontade de bater a porta e largar tudo, não há motivo para se envergonhar. Isso acontece na minha, na sua casa. São apenas momentos ruins, que não te definem como mãe. As vezes a rotina está tão pesada que nem tempo de bater a porta você tem, e essa talvez seja a boa noticia. 
Meu filho agora está quase 24 horas comigo, exceto no turno da manhã que ele vai á escola onde eu não trabalho. Estamos em um momento de grude. Não nos descolamos. Ter um jantar regado de risada do seu  filho, um abraço, uma música que anima vocês mesmo dentro de um ônibus lotado. Desfrute cada minuto bom, e faça ele brilhar no seu dia, mais do que os muitos momentos ruins que o tentarão ofuscá-lo. E no fim do dia, agradeça por esses pequenos momentos de alegria, reviva os esforços que você faz em sua memória. Afinal, é para excelência dos nossos filhos. 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Mãe com Salto Alto. Todos os direitos reservados.
Editado por: La Cerejinha Design.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo