29 agosto 2015

Como falar com a criança sobre " a MORTE".

Oi Oi gente!

O assunto de hoje no blog é  sobre um tema bem complicado, na verdade eu vim falar sobre isso aqui, porque eu já tinha até comentado em uma das minhas redes sociais que o Pedro andava me perguntando muito sobre o "morreu" que os adultos por vez ou outra falam na frente das crianças e se vê em um linha tênue : Falo ou não falo o que é ? E além de tudo vem a seguinte questão : Como vou falar sobre isso com meu filho ?





Muitas vezes os pais ou responsáveis se deparam com uma situação de morte na família (até mesmo com animais de estimação) e não sabem como explicar para a criança. Da mesma forma aconteceu comigo, em situações diferentes, é claro, mas que acabaram gerando uma série de perguntas do Pedro sobre a morte e me vi na obrigação de respondê-las.Por isso, resolvi também abordar como ensinar a criança da melhor forma, lembrando que a mentira não é o melhor remédio.
Eu me deparei com esta situação de forma mais concreta ( sem ser a morte típica da formiga ) quando o Pedro me viu passar pela antiga casa da minha avó,onde não consegui conter as lágrimas e ele acabou me perguntando o porque que eu estava chorando... 

_Mamãe o que foi ? Você ta triste porque ?
_Porque a vovó da mamãe morava aqui nessa casinha, e agora a mamãe sentiu muuuuita saudade dela. Respondi.
_ "Vamo" lá mamãe ver tua vovó !
_ Ah filho, a mamãe não pode vê ela agora, porque agora ela mora lá em cima, bem lá em cima mesmo, no céu. E não tem como a gente subir agora ! 
_ Como sobe ? Chama um avião mamãe ...

E foi mais ou menos por ai... Até que eu falei a ele que a vovó tinha morrido porque o papai do céu tinha chamado ela pra perto dele , para deitar nas nuvens brancas, e que a gente não podia ver ela agora, nem com avião , porque só quem tinha a chave da porta de lá era papai do céu e que ele só deixa a gente entrar na hora certa, que ela era muito bonita e que a mamãe estava triste por ela ter morrido e ter ido morar com o papai do céu apenas porque sentia muita saudade. 

Bom...Ao se deparar com esta situação de perda, o primeiro passo é deixar claro para a criança, com frases diretas: “O vovô morreu, estou bastante triste”. Muitos irão se perguntar se a frase “estou muito triste” não incentiva a criança a sofrer mais ainda e eu afirmo que não, agindo assim a criança consegue elaborar seus sentimentos, aprendendo a lidar com eles naturalmente e ensinando através dos SEUS sentimentos que é possível ultrapassar este “luto” (tristeza). Após contar a notícia é bom que a criança se sinta amparada e perceba que sempre terá alguém no mundo que a ajudará passar por momentos difíceis e que não é por culpa dela que o vovô morreu (porque acontece de muitas crianças acharem que porque desobedeceram e foram maus, como castigo a pessoa que eles amam morreram).
Outra questão muito importante também é que muitas vezes as crianças elaboram histórias como um mecanismo de fuga, um certo tipo de defesa para fugir das situações que elas não querem aceitar ou compreender, e quando isto acontecer nós não precisamos ser duros mostrando a realidade de forma bruta , tente mostrar de forma cuidadosa que não será possível fugir daqueles sentimentos e que a tristeza deve ser vivida e transformada. 
Nesse dia o Pedro me falou :" Mamãe se você morrer igual a sua vovó bonita eu vou ficar triste demais " . Então, nesse momento ele já criou o seu próprio sentimento. 
Se os pais escondem da criança que um cachorro ou peixe do aquário morreu, dizendo que ele fugiu ou sumiu, e depois ela vê o bicho morto, ou mesmo ouve uma conversa sem querer, ocorre a quebra da confiança que ela tem em seus próprios pais e isso não vai ser legal. 
A outra situação que o Pedro passou, na mesma semana, por coincidência, foi a seguinte : Estávamos voltando da padaria e um carro passou por cima de um gato ( que já estava morto por sinal, porém ele ainda não tinha o visto) , ele presenciou a cena de fato : O gato morreu ! E de quebra ele ainda deduziu que foi o motorista do carro que havia o matado. 
O motorista estacionou o carro, saiu de dentro do carro, pegou sua maleta e quando estava entrando dentro de casa, o Pedro o chamou : 
_ Ei seu mocinho, você matou o gatinho. 
O motorista assustado me perguntou né ?:  _ Matei foi ? ( O motorista falou pra ele que havia sido um acidente).
Naquele momento o Pedro ficou bem irritado com o motorista, e depois que tudo foi explicado, falei pra ele que o gato já estava morto e o motorista passou em cima dele por que não havia visto e que tinha sido um acidente, que ainda não haviam enterrado o gatinho, mas que se ele estivesse vivo e estivesse na frente do carro ele poderia ter matado também. 
O pedro olhou pra mim e disse : "Mamãe, papai do céu chamou o gatinho, agora ele morreu e eu tô muito triste né ? Ele ta dormindo é mamãe ?"
É necessário explicar a criança o procedimento que acontecerá após a descoberta da morte, explicar sobre o funeral e o velório (levar a criança no funeral é uma boa ideia, porém não deve ser forçado), e se ainda assim a criança perguntar: “o vovô está dormindo?”, explique de forma clara e calma, pois se usarem frases como “o vovô não acordará mais” há grandes chances da criança ter um receio de dormir.
Muitas vezes os papais ficam desesperados ao ver seus filhos se tornando agressivos ou regredindo seus comportamentos. O que eu sempre digo é: os filhos são o reflexo de seus responsáveis, é a maneira como VOCÊS vão lidar com a dor que serão fatores primordiais para eles aprenderem a lidar com estas situações. Incentivem-os a falarem abertamente sobre a morte, sobre a pessoa que morreu, chorar e se entristecer no período do luto, estes processos naturais da vida devem ser vividos e expressados de forma saudável, pois a repressão ou exacerbo de sentimentos poderá fazer com que a criança sofra mais futuramente.
E ai , alguém  aí já passou por isso? 

A morte é um assunto difícil de entender até para os adultos. Para os pequenos é ainda mais confuso. Por isso, eles precisam de todo o apoio e sinceridade nos momentos em que devem encarar a perda de uma pessoa próxima. 

26 agosto 2015

Ideia legal: Reformando o Berço

Oi Oi geeente.
Hoje o post é bem curtinho. 
Que tal você reutilizar aquele berço (velho/ou não utilizado pelo seu filho (a)) para transformá-lo em banco, escrivaninha, mesa de apoio, mesa de estudos, ou até mesmo usar a lateral para colocar livros e revistas ?
Já pensaram nisso ?

Há uns dias uma amiga minha me perguntou o que eu tinha feito com o berço do Pedro, e eu disse a mais desastrosa resposta : Vendi ! AAAAAAH, que dó. Se eu tivesse o berço do Pedro agora, ia correr e reutilizá-lo sem dúvida porque essas idéias que achei na net são simplesmente imperdíveis, de tão lindo e refinado que fica tudo ! 

Bom... mas né ? Já se passaram 3 anos e nunca havia passado pela minha cabeça fazer algo parecido com o berço dele, primeiro porque não sei vocês lembram mais o berço dele era : Berço cercado. E segundo porque eu tinha um péssimo costume de comprar tudo novo, e sim, TINHA, porque isso não me pertence mais, estou adorando isso de reformar. /
Mas então, pra quem ainda tem berço em casa e não usam mais, vejam algumas imagens que separei para vocês :


(banco)


(escrivaninha)



( mesa para escritório) 



(expositor de livros e revistas) 



(mesa de estudos ) 


Então é isso, vamos diminuir o consumo e olhar com carinho e criatividade os móveis que já temos em casa? Anota aí!

>>Se gostam do Blog e querem ajudar ele crescer, não deixem de curtir a nossa fan page e sempre que quiserem compartilhem e curta as postagens que aparecem lá.<<
Beeijo meus amores !

25 agosto 2015

Vídeo :Você tem time na briga do parto normal x cesárea? Entrar nessa polêmica é fugir do problema principal.


Oi gente ! 

Você tem time na briga do parto normal x cesárea?

Entrar nessa polêmica é fugir do problema principal. Depois de alguns pedidos fiz um vídeo com base em tudo que acredito , vi e escutei sobre toda essa dicotomia de partos e escolhas. 

Algumas mulheres ainda querem ter um parto surpreendente como nos filmes: a mãe coloca as mãos na barriga enquanto a bolsa estoura na cozinha. Mas nem sempre é assim, e como fica na hora de escolher ? Vim dá minha opinião hoje sobre isso.


Espero que gostem, vamos todas nos respeitar independente da escolha. O mais importante de tudo é : Ninguém é mais mãe que ninguém por causa de um parto! O parto é da mãe !

Vamos conferir ?







>>Se gostam do Blog e querem ajudar ele crescer, não deixem de curtir a nossa fan page e sempre que quiserem compartilhem e curta as postagens que aparecem lá.<<



Veja também : #Depoimentos








24 agosto 2015

Simone Apolinario, 22 anos, Brusque SC.

Oi meninas, eu sou a Simone, tenho 22 anos e moro em Brusque -SC. 

Tenho 2 filhos. Um menino de 6 anos e uma menina de 4 meses (o Kawe e a Karen).

No momento estou tendo uma experiência diferente em ser mãe com a karen pois a experiência que tive com o kauwe e que tenho até ainda é muito difícil.A gravidez foi até boa e nada foi detectado durante ela, mas o parto foi difícil e demorado, e quando ele nasceu não pude ver ele como a maioria das mães de parto normal... saíram correndo com ele e depois de um tempo é que trouxeram, e foi quando eu vi que ele tinha alguma coisa diferente.
Ele não mamou , não demonstrou reação nenhuma. 
Logo o médico veio e me falou que ele precisava de uma UTI. Levaram ele numa quinta a noite e só conseguir ver ele de novo na segunda. Eu notei que havia algo errado em sua pele.
Depois de alguns exames ,foi descoberto que ele nasceu com uma doença chamada ICTIOSE CONGÊNITA não bolhosa. E nesse momento, o mundo desabou em minha cabeça.

Os tratamentos começaram, tudo muito sofrido e difícil. Foram 3 anos de muitas lutas. Cheguei a ficar careca, sem quase cabelo com toda essa situação. Ele se coçava muito até sair sangue e o tratamento além de difícil era um tormento para mim porque não achavam a veia dele pra dar a medicação, por conta da pele, e  tinham que furar diversas vezes.Ele começou a andar apenas com 2 anos, além da ictiose também descobrimos que ele apresentava um pequeno retardo . 


Todos queriam saber o que era , teve um momento que foi muito constrangedor, muitos tentavam ajudar mais outros falavam coisas muito desagradáveis na minha cara.
Alguns médicos não sabiam me explicar o porque o retardo no cérebro também.
Até hoje ainda é difícil porque ele se coça muito. Agora que ele consegue falar fica um pouco mais fácil, mais demorou um pouco já que ele falou com 4 anos quase.
Ele é um menino muito esperto e arteiro, mas ele ainda não tem consciência do que ele tem.

É difícil o tratamento porque é tudo pago e muito caro, tento me virar como posso.
Não trabalho no momento por causa da bebê. 

Ele não recebe pensão do pai biológico. O pai dele não quis saber dele desde o momento que soube que o Kauwe tinha problemas. Falou que queria distância,  Tive que lutar sozinha com ele até os 4 anos , até Deus colocar meu marido em meu caminho, o pai da Karen.

Ele é um pai maravilhoso e muito dedicado a ele. Faz o que pode também. 

Quando eu engravidei do Kaue eu tinha 15 anos, e o pai biológico dele 32. Tudo durou 4 meses precisamente,  um relacionamento sem instabilidade, ficava uma vez e outra, mas já conhecia ele já fazia um tempo. Eu só soube que estava grávida  quando terminamos. A primeira reação dele foi dizer que não era dele e queria DNA e eu concordei em fazer, mas ele correu porque sabia bem que o filho era dele.
Naquele momento meus pais estavam em crise e muitas coisas ruins estavam acontecendo ao mesmo tempo. Passei a gestação sozinha e quando ele nasceu , foi vê-lo , só que quando ele viu o que o Kauê tinha, ele correu. 

Desde pequena, sempre tive uma vida conturbada na adolescência, fiz muitas escolhas erradas. Fiquei 3 anos no Mato Grosso com meu pai biológico , nessa época eu tinha 8 anos e era meu primeiro contato com ele pois ele havia ido embora de casa quando eu tinha apenas 1 ano. O primeiro ano foi legal ,até que tudo virou um inferno. Ele tentou abusar de mim, e minha madrasta só me batia. Me trancava o dia todo no banheiro sem comer. Ali eu era apenas a empregada. 
Então não foi uma vida tão fácil e acabei fazendo algumas escolhas erradas, porque quando conheci o pai do kauwe foi uma fase onde eu estava muito triste e as coisas iam de mal a pior. Minha mãe e meu padastro ( um paizão) eram bem de vida e de repente tudo se perdeu. E o pai do kauwe meio que se aproveitou do momento também. 

Muitas vezes eu pensei até em suicídio, porque não é tão fácil viver mantendo as aparências, mas aqueles olhinhos lindos me fizeram perder a coragem de fazer essa loucura. 
Sabe ... eu tento me manter firme quando na realidade estou em pedacinhos, porque sou sozinha, não tenho amigos, não tenho vida social, e no momento estou muito isolada. 

Ainda acho que não tô pronta para enfrentar o que vem pela frente e muitas vezes me sinto muito triste por não poder ajudar o meu filho. Ainda é difícil ver a reação de alguns pais na escola que ele está, com medo que o seus filhos peguem também. É uma doença que não tem cura, e os médicos falam pra mim sempre ,que as vezes crianças que tem essa doença não chegam  nem á adolescência por causa das infecções. Descasca, sangra porque ele coça ,mais pelo menos ele não reclama de dor. 

Eu não consigo nem imagina a minha vida sem ele sabe...

A imunidade dele é  muito baixa, ele vive gripando e sofre muito com o calor.
Não sei o que vai ser de tudo quando eu tiver que explica o que ele tem ou quando ele pergunta o que tem ! 
Pra mim ele é perfeito.
O que mais me incomoda é não poder sentar em algum lugar com ele em paz sem que ninguém fique vindo perguntar o que ele tem, e porque é daquele jeito, e daquela cor. As pessoas são muito indelicadas, não respeitam muito os nossos sentimentos.
As vezes vejo ele dormindo e choro pensando por que ele tem que sofre tanto. Não dá pra esconder o que ele tem. Tento me manter firme mais não é fácil. 
Ele não pode se quer cair ou esbarrar em alguma coisa porque a pele se arranca e aí sim, dói... sangra. 
Ele é uma criança incrível, muito amoroso e preocupado com a gente,o que mais tenho tentado é  me dividir com os dois sem deixar nenhum de lado, o especial, e ela que também precisa de cuidados porque é uma bebê ainda. Nossa casa só tem um quarto a cozinha, o banheiro e a varanda na frente.Ele dorme na cama dele no mesmo quarto que nós e a karen dorme comigo.

A nossa situação financeira não é muito boa, 250 reais só  a consulta, a pomada já é mais 98 reais de 500 mg, onde seriam necessário passar de 2 a 3 vezes ao dia, mas se eu passar daí não dá nem pra 15 dias,então passo uma vez por dia para durar. Consigo pegar a medicação dele pelo estado. E o que nos ajuda na verdade é a pensão que ele recebe do governo, o salário, e os trabalhos que meu marido vez e outra tem. A karen toma leite, que também já não é tão barato. E meu marido também não ganha tão bem. 

Tenho medo de perder ele,e de não ser capaz de cuidar dele na fase que ele mais precisar, então tenho ficado sozinha e falado muito com Deus, porque não imagino e nem saberei viver sem meu pequeno kauwe. 

______________________________________________________________________________

Meninas, quem quiser ajudar a Simone e o Kauwe, com a pomada do tratamento, roupinhas para os meninos, qualquer valor em dinheiro, vale consulta, QUALQUER COISA, ajudem por favor !
Todo ato solidário é bem vindo e Deus nos vê lá de cima, tenho certeza !

Contate a Simone (Facebook para ajudar) ou siga o Box do endereço abaixo :












21 agosto 2015

5 filmes que indico (Lição de vida).

Oi Oi gente ! 
Tudo bonzinho ?

O post de hoje é bem curtindo ( um milagre ! ).

Quem não gosta de dar aquela fuçada nos sites procurando indicações de bons filmes para rechear o nosso final de semana entediante ? Eu faço isso ! 

Eu amo todo tipo de filme, porque acredito que tem filme para cada ocasião diferente , então eu gosto do filme de terror até o de amor. Essa semana assisti uns filmes novamente e vim mostrar á vocês 5 filmes que trazem lições de vidas bem importantes e que depois que assisti me tornei uma pessoa bem melhor, além de terem me emocionado bastante. 

Eu não segui linha alguma e critérios do tipo : antigos ou recentes, relacionamento a dois ou familiar, primeiro lugar e segundo lugar ... blá blá.  Não, não usei esse critério . São filmes, apenas FILMES que acho que valem a pena assistir ! 

Vamos lá ? 

1 -  “À PROCURA DA FELICIDADE” (2006)


Após perder tudo, Chris Gardner - protagonizado por Will Smith - se vê em um ponto de sua vida em que tem que se reinventar para garantir a sobrevivência dele e do seu filho. 
Lição: jamais desistir em ir atrás de seus sonhos sempre com garra e determinação.


2 - " UMA LIÇÃO DE AMOR " ( 2001)
Nessa linda história de amor e família, o coração do telespectador bate acelerado a cada cena de amor entre Sam (Sean Penn) e sua filha Lucy (Dakota Fenning). Um filme que além de nos mostrar o quão importante é amar seu filho e cuidar bem dele para que no futuro ele se torne um lindo reflexo seu, mostra também o lado do bom senso e da justiça interligados. Ao conceber uma filha Sam percebe que arranjou uma companheira para vida que era apenas dividida entre trabalhar na cafeteria e se encontrar com seus amigos. Mas a alegria dura pouco pois as diferenças começam a surgir, e por ser deficiente mental Sam acaba perdendo a guarda de sua filha. 



3 - " UM ATO DE CORAGEM " ( 2002) 
John Q. Archibald (Denzel Washington) é um homem comum, que trabalha em uma fábrica e vive feliz com sua esposa Denise (Kimberly Elise) e seu filho Michael (Daniel E. Smith). Até que Michael fica gravemente doente, necessitando com urgência de um transplante de coração para sobreviver. Sem ter condições de pagar pela operação e com o plano de saúde de sua família não cobrindo tais gastos, John Q. se vê então numa luta contra o tempo pela sobrevivência de seu filho. Em uma atitude desesperada, ele então decide tomar como refém todo o setor de emergência de um hospital, passando a discutir uma solução para o caso com um negociador da polícia (Robert Duvall) e com um impaciente chefe de polícia (Ray Liotta), que deseja encerrar o caso o mais rapidamente possível.


4 -  " A ESPERA DE UM MILAGRE" ( 1991) 
1935, no corredor da morte de uma prisão sulista. Paul Edgecomb (Tom Hanks) é o chefe de guarda da prisão, que temJohn Coffey (Michael Clarke Duncan) como um de seus prisioneiros. Aos poucos, desenvolve-se entre eles uma relação incomum, baseada na descoberta de que o prisioneiro possui um dom mágico que é, ao mesmo tempo, misterioso e milagroso.


5 - " SETE VIDAS" (2008) 
Ben Thomas (Will Smith) é um agente do imposto de renda que possui um segredo trágico. Por conta disso, ele é um homem que tem um grande sentimento de culpa, o que faz com que salve as vidas de completos desconhecidos. Porém, tudo muda quando ele conhece Emily Posa (Rosario Dawnson), pela primeira vez é Ben quem tem a chance de ser salvo.



E aí, assistiram já ? Espero que quem ainda não tenha assistido separe um tempinho pra assistir e quem já assistiu , vale a pena assistir de novo porque quem sabe vocês acabem percebendo o que não perceberam da primeira vez né ? Sempre há algo a se aprender. 

Espero que tenham gostado do TOP 5 , até o próximo ! 


>>Se gostam do Blog e querem ajudar ele crescer, não deixem de curtir a nossa fan page e sempre que quiserem compartilhem e curta as postagens que aparecem lá.<<

Beeijo meus amores !


19 agosto 2015

Terrible Twos e a adolescência do bebê.

Oi Oi meninas ! 
Voltei de uma parada técnica kkk 
Quem já ouviu falar no  “Terrible Twos” ?



Desabafei ano passado, precisamente em julho, nas redes sociais que o Pedro estava começando a fazer birras de verdade e assim deu tempo de eu flagrar uma sequência de fotos onde ele se jogava para o chão,batia, gritava e chorava muito ! 
Sem falar em outras coisas ! 

Esse momento me fez refletir seriamente sobre começar a colocá-lo de REPOUSO!

Pedro estava birrento, cheio de vontades e quando era contrariado atirava as coisas para o chão, em cima da gente, querendo dar tapas nas coisas e as vezes batia até na primeira pessoa ou coisa que estivesse na frente. Para piorar a cena toda, se jogava para trás e fazia aquela cara de quem estava com toda razão.
É ! na hora até pensei :  Meu filho deixou de ser aquele bebezinho bonzinho, simpático e fácil de lidar. Com apenas 2 anos ? Será ? O que foi que eu fiz ?


Daí gente, depois de postar essa cena e fazer o desabafo, vi como existe muita gente atrasada com relação aos castigos positivos que são dados aos pequenos. 

Educar não é mesmo tarefa fácil e filho desafiar as regras está dentro da normalidade. Anormal mesmo seria se a criança aceitasse passivamente o primeiro "NÃO"  dos pais ou nunca obedecesse. 

Demonstrar, com voz firme, que não gostou da atitude dele dá muito certo SIM !

É preciso ter claro que quem está no comando são vocês (OS PAIS). 



As sanções ensinam que os repousos devem ser imediatos ao erro e de curta duração , e é preciso explicar a razão. "Só que cuidado com a verborragia" porque a  atenção da criança é curta, se você alongar muito as explicações, ela vai perder contato com a torre rápido.
Só que também é importante distinguir as situações que merecem punições 


Nem toda desobediência é motivo para pensar no quarto. 


"Vejo o castigo como uma forma eficiente de dar limite, desde que não seja sempre"


Comecei a impor a voz quando o Pedro não atendia aos pedidos de mãe, me desafiando.



Peguei nele, coloquei num lugar que na hora me pareceu ideal porque minha casa era bem pequena e falei que ele ia ficar ali sentado pensando no que havia feito (essa parte eu sei que ele ainda não entendia perfeitamente,  mas tenho certeza que ele entendeu que estava chateada e que ele estava ali porque fez algo errado. E porque eu sei disso ? Porque hoje ele já é um BOM MENINO ! 
Logo depois, fiquei MUITO aliviada de ver que o Pedro estava passando por uma fase já conhecida entre os especialistas e que eu não era a responsável. Porque era esse o pensamento que estava me consumindo naquela época . Para vocês terem uma noção, ele dava  um escândalo porque eu colocava um  chinelo  e ele queria que eu colocasse um tênis. Imaginem isso, ele gritando, chorando e repetindo: tênis  mamãe, tênis . Eu quase não acreditava que aquilo estava acontecendo!
Então vamos falar sobre isso? As informações abaixo foram retiradas no site Bebê.com e optei por pesquisar e trazer pra cá porque traz o embasamento de uma especialista no assunto.
“A adolescência do bebê, primeira adolescência ou o famoso “terrible twos” – terríveis dois anos, em inglês –, como citado na literatura, é a fase em que a criança passa a se comportar de modo opositivo às solicitações dos pais. De repente, a criança que outrora era tida como obediente e tranquila passa a berrar e espernear diante de qualquer contrariedade. Bate, debate-se, atira o que estiver à mão e choraminga cada vez que solicita algo. Diz não para tudo, resiste em seguir qualquer orientação, a aceitar com tranquilidade as decisões dos pais, para trocar uma roupa, sair de um local ou guardar um brinquedo. Para completar, não atende aos pedidos e parece ser sempre do contra. Normalmente, acontece a partir de 1 ano e meio até os 3 anos de idade.
A causa para esse período é simplesmente o próprio desenvolvimento natural da criança. A fase dos 2 anos de idade é um período de grandes mudanças para ela. Até então, o pequeno seguia os modelos e as decisões dos pais. Gradualmente, ele passa a se perceber como indivíduo, com desejos e opiniões próprias, e isso gera uma enorme necessidade de tomar decisões e fazer escolhas por si. Sem dúvida, isso acaba gerando uma grande resistência em seguir os pedidos dos pais. Não é exatamente uma ação consciente da criança, mas uma tentativa de atender a esse desejo interior, a essa descoberta de si como um ser independente dos pais. No entanto, ao mesmo tempo em que ela quer tomar suas decisões, ainda tem muitas dificuldades para fazer, dado que ainda não tem maturidade suficiente. Ela discorda até dela mesma! Se você pergunta o que ela quer comer, naturalmente ela responderá: “Macarrão”. Mas, quando você chega com o prato de comida, ela diz: “Eu não quero isso!” .Suponha que você está com pressa para ir a algum lugar...Seu filho está de ótimo humor até você dizer: “Preciso que você entre no carro agora”. Ele fará tudo, menos atender a sua solicitação. É uma fase difícil para os pais e também para os pequenos. É uma experiência intensa emocionalmente e repleta de conflitos, pois, ao mesmo tempo em que a criança busca essa identidade, ela não quer desagradar seus pais — por mais que isso não pareça possível.
Não existe alguma maneira de evitar que o bebê passe por isso. O importante é conhecer e lidar de modo construtivo com essa fase dos pequenos. 
Também não é uma regra. Algumas crianças demonstram essas características mais intensamente do que outras. Depois que ouvi relatos percebi que as do Pedro foram fichinhas pra as de algumas crianças, e exageros para a intensidade de outras, então , as características variam.
 Daí você se pergunta : Como agir quando a criança se joga no chão e grita em um lugar público, como o supermercado ou o shopping?
Primeiramente, descarte palmadas, tapas, puxões de orelha ou qualquer outro comportamento agressivo para tentar conter uma birra. Antes de sair, converse com o seu filho e o contextualize sobre o passeio. Se for supermercado, por exemplo, diga como espera que ele aja, o que ele poderá pegar para si etc. Se forem a um restaurante, faça o mesmo, explique aonde vão, como espera que a criança se comporte e as consequências para o seu mau comportamento. Jamais ceda às manipulações, como choros, pedidos de ajuda e reclamação de possíveis desconfortos. Avise-o de que só vai conversar depois que ele se acalmar. Opte por disciplinar a criança após a birra, que é o momento em que ela está colocando para fora sua frustração e seu descontentamento. Após ela parar de fazer a birra, você se abaixa para conversar.
 É sempre muito importante que a criança compreenda o que fez e o porquê de sua ação. 
Evite dar broncas e repreender seu filho na frente de outras pessoas para que ele não se sinta constrangido e você também. Uma dica bacana para mudar o foco da birra é chamar a atenção da criança para outra situação. Mostre um objeto ou comece a falar de outro assunto. Ignorar a birra costuma dar ótimos resultados. Em lugares públicos, se a birra persistir e você estiver se sentindo constrangida, tire o seu filho do ambiente sem demonstrar irritação e sem conversar. Sua atitude mostrará desaprovação.
 O que fazer quando o pequeno bate nas pessoas quando é contrariado?
Esse “bater” normalmente é a expressão do seu descontentamento, o que, no caso, não é aceitável. É importante ressaltar que as crianças, assim como nós, adultos, também ficam bravas, tristes, frustradas e chateadas — isso é natural do ser humano. Ao longo da vida, ela vai se deparar com diversas situações que despertarão esses sentimentos nelas e a infância é a melhor fase para aprender a lidar com esses sentimentos inevitáveis. Assim, se quiserem contribuir de modo positivo com o desenvolvimento emocional e psicológico dos pequenos, os pais devem parar de tentar poupá-los de situações frustrantes e passar a explicar esses sentimentos, apontando caminhos para que consigam lidar com eles. A criança não nasce sabendo lidar com seus sentimentos, ela testa suas ações e vai construindo seus modos de agir.
Quando ela bate em alguém, imediatamente deve ser contida e, em seguida, os pais devem abaixar-se na altura da criança, olhar fixo em seus olhos e com voz firme conversar que entendem que o pequeno esteja bravo, mas que sua atitude é inaceitável. Explique que, se aquilo voltar a acontecer, haverá consequências negativas para ela, citando quais serão. Lembre-se de que essas consequências deverão ser algo possível de ser feito porque, se a criança repetir o comportamento desaprovado, você deverá cumprir o que falou.
 E quando a criança bate com a cabeça na parede ou faz coisas para se machucar porque ouviu um “não”?
Em geral, as crianças recorrem a esse tipo de autoagressão como mais uma tentativa de conseguir a atenção dos adultos e, quase sempre, conseguem porque descobrem que esse comportamento provoca comoção nos pais. Por mais que possa preocupar, os pais devem manter a ideia de que “sem plateia não há show”. O ideal é conter a ação da criança sem dar atenção ou demonstrar comoção pela atitude. Você pode, por exemplo, colocar um travesseiro ou uma almofada embaixo da cabeça dele e sair de perto, ou tire o pequeno do local onde está sem conversar e coloque-o em um ambiente mais seguro. Sem conseguir chamar sua atenção com a autoagressão, a criança vai buscar outras possibilidades, como apagar e acender a luz, ligar e desligar equipamentos eletrônicos etc. Só fique atenta para a possibilidade de esse comportamento estar refletindo algum problema emocional, que, aí sim, merece a atenção dos pais.
Se a criança começar a apresentar comportamentos autodestrutivos, como se arranhar, bater em sua cabeça e puxar os cabelos, frequentemente em situações cotidianas, vale a pena consultar um especialista porque isso pode indicar uma tentativa da criança de evitar o contato com algo que esteja lhe causando angústia.”
E aí, tem alguém passando por isso?!
Se gostam do Blog e querem ajudar ele crescer, não deixem de curtir a nossa fan page e sempre que quiserem compartilhem e curta as postagens que aparecem lá.

10 agosto 2015

Depoimento : Luz Correia, 27 anos, RS #realidadesdeUMAmãe


   Antes de engravidar pela primeira vez eu sonhava em ser atriz, mas sempre fui muito avoada, inconsequente...até que a inconseqüência e falta de limite me levaram a engravidar a primeira vez.
  Eu estava saindo muito, e a um mês havia descoberto a síndrome do pânico, depois de frequentar diversas idas a emergência, descobriram que tinha o tal "pânico". Fiquei internada durante um mês, pois não me alimentava bem e levava uma "vidalouca". Saindo da clínica tomando diversas medicações, voltei a sair e a beber, sai com um rapaz de quem gostava muito, mas em apenas uma vez foi o suficiente para engravidar de minha primeira filha, aos 18 anos.
   Descobri a gravidez e absurdamente fiquei feliz quando ouvi que o resultado era positivo pro teste. Parecia uma luz no fim do tunel. Não sei explicar ao certo. Sei que na hora fui tomada por uma alegria imensa. Liguei para a minha mãe e ela perguntou porque eu tava no hospital . Perguntou se era algo grave ou "grávido", assim descobrindo o que se passava. Logo assumiu comigo a gravidez comigo, enquanto o pai da criança só me mandou abortar e infernizou até eu pedir pra que ele nos deixasse em paz se não queria ajudar.
   Sofri muito. Engordei 30 kg, de 49 fui a 79kg, entrei em extrema depressão e raspei minha cabeça.Pensava em desistir...pois embora estivesse enfrentando a situação, no fundo não sentia que amava aquele ser na barriga . Sentimento que mudou ao ver meu pequeno bebê saindo de mim. Hoje ela é meu tudo, embora eu tenha tido deslizes no caminho e de forma inconsequente, talvez no fundo certeira, eu tenha engravidado mais uma vez aos 20. E agora aos 27.
   Foi uma mudança lenta e ainda tem sido. Mudou a questão da responsabilidade para com a minha família, com relação a dinheiro. Trabalhei, sempre fui muito comprometida. Então o mais difícil foi dar menos atenção pro lado profissional e focar nas crianças.
   Nunca deixei de sair a noite, talvez esse fator venha a mudar só agora. Não deixei de fazer nada. Talvez só tenha aprendido e lucrado. Aprendido a amar de verdade.Ser paciente, doce e fazer de conta que sei responder todas as perguntas do mundo pras dúvidas mais malucas dos meus filhos.
Nesse mesmo círculo vicioso. Voltei a tomar a medicação para SP e beber e beber. Logo estava saindo com um rapaz, saímos duas vezes pra ser exata.    

  Durante três meses não fiz teste algum, mas sabia que tinha algo errado. Contei aos amigos, ao pai da criança e a minha mãe. Ninguém aceitou ! Mais uma vez o pai outro pai não aceitou ! Minha vontade era sumir, tinha raiva de mim por ter cometido o mesmo erro, mas nunca cogitei abortar, diferente de todos ao meu redor.
   O sentido inicial dessa minha segunda gravidez foi superação de força e desligamento de laços pra aceitar o meu sim ou meu não, independente da opinião dos outros. Foi muito doloroso.
   Voltei a morar de favor da casa do meu pai, com dificuldades como a maioria das pessoas que conheço. Mas com força e vontade fomos superando. Sempre com a doce iluminada presenca da minha filha, que tornou até a vinda do irmão mais amena depois de tanto sofrimento, afinal, éramos uma família. Sofri muito achando pela segunda vez que nunca mais acharia o amor da minha vida tendo dois filhos.
   E ai achei , depois dos dois...( só que teve um pequeno problema, era meu amor e não eu o dele...).
   Namoramos por quase três anos. Ele era legal com meus filhos, meus filhos gostavam dele, era especial o que tínhamos, mas nada de comercial de margarina, a vida como ela é eu diria. Pois bem...eles sentem falta dele até hoje e eu também . Desiludida com o fim do namoro. Lá fui eu...sair e beber de novo...fui pra internet num tal de "tinder" conheci um cara, sai uma vez e pronto. Três semanas eu já tinha certeza do que havia acontecido.
   Ele não quis assumir, e a história se repete , mesma história se repetindo.
Pensei em morrer pela dor que senti: como eu poderia ter força, como seria eu fazer isso de novo de forma tal descuidada ?? Me culpei e me puni de todas as maneiras, mas no fundo só torcia por resolver tudo logo e queria ficar bem com meus filhos, olhar pra frente.

  Nunca tive medo de desafio no que diz respeito a trabalho. Já vendi apartamentos, fui caixa, auxiliar administrativo, produtora cultural,produtora de eventos, atriz, já panfleteei , ja fui promotora de produto em farmacia e supermercado, fiz lanches pra vender nos parques,ja trabalhei como atendente de telemarketing, ja fui animadora de festas, já fiz pesquisa de casa em casa, já revendi bijuterias nas estações, já trabalhei em produtora, empresa privada, rua e casa. Mas nunca deixei de correr atrás de dinheiro pra criar meus filhos e sempre consegui!Claro que me desesperei em vários momentos, mas sempre que caia descobria mais força em mim.
  Hoje depois de muito me importar com o que os outros pensam, sofrer, cair e me reerguer, só penso em seguir em frente. Vivendo um dia de cada vez.  Finalmente me sinto plena, sinto que descobri minha vocação que e criar esses três da melhor forma. Se o amor ainda vai acontecer? Já aconteceu ...esses dois são tudo pra mim, meus desejos se refletem em realização pra eles diariamente e meu terceiro filho a caminho é a semente pra mais descobertas, alegrias e renovações em nossas vidas. Pergunto a Deus todos os dias o que fiz pra merecer esses filhos...eu que sempre fui tão cabeça oca, louca. Não sei de verdade, mas tenho sido a melhor mãe que acredito que alguém pode ter...demorou mas hoje sou !
   O que ficou de bom em mim depois dos meus filhos ? Me sinto mais forte e mais segura. Antes eu era 90% insegura em tudo que fazia. Muitas vezes me senti sozinha e sempre odiei isso . Nessa terceira gravidez que sinto ainda mais, pela primeira vez amo essa sensação de estar tocando a vida um dia de cada vez, luto sem cansar todos os dias, mesmo aqueles dias de merda e desespero.
   Lutei em minha maternidade contra o que os outros diziam e pensavam, mas principalmente comigo mesma. Tinha muito preconceito com mulher solteira e filho, não fazia ideia do quão machista era... Só quero ver essa gravidez como uma luz divina e me agarre o nessa chance de recomeço pra mim e meus filhos. Só penso que quero fazer tudo valer a pena. Penso em olhar pra frente. Ama-los sem medida até o fim e ser uma companheira guerreira ao lado deles, de forma arrebatadora e incansável.

  Foi uma mudança lenta e ainda tem sido. Mudou a questão da responsabilidade para com a minha família, com relação a dinheiro. Trabalho sempre fui muito comprometida. Então o mais difícil foi dar menos atenção pro lado profissional e focar nas crianças.Sem dúvida amadureci muito, me tornei alguém melhor, hoje até alguém que gosto e me orgulho. Mãe de três filhos de tres pais diferentes, onde os três sugeriram abortar e eu fui ate o fim pra ter meus filhos sem contar com eles. E hoje de um jeito meio torto estão ai e são seres do bem, iluminados e educados pela taxada de " doida" aqui. Nessa terceira gravidez mudou muito minha relação com amizade, descartei muita gente superficial da minha vida e pessoas que me magoaram ou magoei, estou tentando recomeçar do zero, de verdade.
 

03 agosto 2015

Aniversário do Pedro - 3 anos ( Balanço Final)

Oi Oi lindezas, de inicio vou logo avisando que o post é bem curto porque vim apenas falar sobre alguns valores que ja fiz em vídeo (CLIQUE AQUI) e mostrar algumas fotos, mais hoje o conteúdo é pouco, é que tava faltando finalizar esse post sobre o terceiro aniversário do Pedro .
O post de hoje é um balanço final, o que faltava falar sobre a festa do Pedro ! 



A festa em si  foi ÓTIMA
 Eu me envolvi bastante, tudo realmente dá uma trabalheira danada e as únicas coisas que saem realmente perfeitas são aquelas que são feitas por profissionais no ramo! kkkk
Então, o conselho que dou é: se você é dessas pessoas super perfeccionistas que vão ficar atucanadas com os detalhezinhos no dia, contrate uma empresa especializada! 

O que não vale é chegar cansada no dia da festa e não aproveitar né ? Eu sempre fico pra lá e pra cá em festa que organizo. Fico muito agitada querendo recepcionar todos !

Como eu estava livre porque o aniversário dele foi realizado em minhas férias na escola, fiz tudo mais planejado e com mais dedicação e calma e saiu do jeitinho que eu queria, já que queria algo a cara dele e mais confortável ! 
Ele que escolheu o tema ! kkk sim, ele ! 
Separei por itens pra ficar mais fácil! 
Item 1 - DECORAÇÃO/ BALÕES – Este item inclui : Salão de Festas, Mesa do Parabéns, Mesas Complementares, etc.  

Nessa decoração não usei balões ( o que economizou muito ) por opção minha mesmo. Queria uma decoração mais #rústica digamos. Para ver (CLIQUE AQUI)

O tema pediu !
Então eu decorei em cima o painel com TNT ( R$ 8,00 -3 MT) , PRATOS DE PAPELÃO (R$ 1,50 - 10 UN) , PAPEL OFICIO, PAPEL MADEIRA (4 FOLHAS - 0,70 UN) FITA DE CONSTRUÇÃO (R$ 10,00 - ROLO) . O capacete de construtor custou R$ 10,00.


 





 


Item 2 -  LEMBRANCINHAS
O céu é o limite ! 
Como a festa esse ano foi para 30 pessoas , e o tema da festa foi  " carros de construção", fiz uns baldinhos de construção com pá e escavadeira , doces, guloseimas e chocolates para as crianças. 
As lembrancinhas dessa vez NÃO TERCEIRIZEI. Comprei os baldinhos que me custaram : 1,75 (cada), as sacolinhas de plástico : 3,50 (o pacotes com várias) e enchi de doces (que os preços tem >  AQUI).
Comprei essas garrafinhas ( 0,90 ) e enchi de suco de laranja. 
Os adesivos das lembrancinhas me custaram R$ 0,30 os pequenos, e R$ 0,50 os maiores
A sacolinha da lembrancinha custou R$ 1,75 (CADA)




Item 3 - FOTOS
Ajuda profissional é imprescindível ou um parente/amigo que se dedique exclusivamente a isso, pois na hora da festa você não vai lembrar e depois todos (principalmente vocês /os pais) vão querer ver e ter a lembrança! Aconselho muito o fotógrafa da festa do Pedro Isabelle Nunes que esta iniciando agora e é super minha amiga. Ela me salvou pois sem ela não teria uma foto hoje pra contar história kkk E ela registrou momentos muito legais do Pedro. 







Item 4 - MESA DE GULOSEIMAS / PARABÉNS
Eu montei  tudo sozinha e achei que  ficou muito lindo! Arrumei tudo sem precisar de decoradora, porque se a meta era economizar não tinha nem graça né ? kkkk E consegui (palmas pra mim kkk)

  
Os próprios doces já são uma decoração em si e por isso aqui também indico que você contrate alguém, devido a variedade de coisas e possibilidades. Os doces feitos pela a Márcia, uma super amiga da chocolateria Douce Dream novamente. 
O resultado ficou um amor !
Item 5 - SALGADOS/ DOCES/CUPCAKES/TACINHAS
Os salgados foram feitos pela mesma adorável profissional  que já foi falado em outros postes e citado mais uma vez aqui Doucedream e saiu tudo mais que perfeito:  Essa é uma baita dica! Incomodação zero e tudo nota 10!



 

Os cupcakes  é  legal ter porque além de gostosos, enfeitam um monte a “Mesa de doces e guloseimas” e você ainda pode oferecer como lembrancinha para as mamães (como eu fiz ) , peça com bastante recheio, pois aí além de bonitos, ficam tri bons! As tacinhas optei por fechadas, acho anti-higiênico elas abertas, sempre peço mista porque se não gostar do sabor de cima provavelmente gostará do de baixo kkk.

Valores : Cupcakes : R$ 70,00 (pacote)
              Tacinhas : R$ 36,00  (pacote)
             Docinhos : R$ 50,00 (pacote)

Item 6. BOLO DE ANIVERSÁRIO
A tradição é que no primeiro ano o bolo seja o primeiro doce que a criança experimenta, depois as coisas mudam e a gente faz aquele doce que seu filho gosta, então, como ele não gosta de chocolate, arrisquei no recheio e todos adoraram !
Adorei a profissional que escolhi para fazer o bolo, ela me surpreendeu, já havia comido as tortas dela , em sabor eu já estava respaldada, mas a decoração dele gente ? AAAIN , olha isso !  Fez jus ao tema num foi ? 

TORTA : R$ 100,00



               

Super indico : Douce Dream Chocolateria
Então,fazendo um balanço desse terceiro ano  só posso concluir que foi uma delícia total: Pedro fez tuuuuudo o que se esperava de um aniversariante  e aquilo que eu não esperava também,kkkkk,  
Fomos muito abençoados com ele  e só tínhamos mesmo a agradecer e a comemorar!

                                        
Então meninas , é isso, espero que tenham gostado !
Foi tudo explicado com muito muito amor !

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Mãe com Salto Alto. Todos os direitos reservados.
Editado por: La Cerejinha Design.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo