22 fevereiro 2014

Minha separação !

Hoje eu começo diferente , com algumas perguntas que sempre escutamos :
Cadê o chão? A culpa é minha? E se eu tivesse feito diferente? 
São os velhos questionamentos que quem acabou de se separar começa a fazer não e ? 
Pois eu não ! Não aconteceu isso comigo ;/
Quem já passou pela experiência do fim de um casamento/relacionamento sabe o quanto é difícil acabar toda uma vida por que não da mais certo. Você tenta, tenta e acaba vendo que não tem mais saída. Mas, acreditem, a gente sempre supera!
O problema é que sempre temos a achar que quem "é deixado" é a grande vítima num relacionamento  e quem deixa e começa outro é a grande vilã, a inconsequente, a errada e a sem noção. O que ocorre é que quem é deixado está numa situação completamente passiva e é obrigado a lidar com todo o sentimento de " impotência " sei lá omo chamam. Mas não é bem assim não, quando ocorre uma separação nós (de fora ) não sabemos o que se passava ali, o tanto que se foi tentado, as teclas que foram rebatidas mil vezes pra que aquilo não acontecesse mais. Não há o que fazer.
As pessoas ficam sempre falando aquela velha conversa de que quem fica, fica maltratado por um sentimento de traição mesmo sem ter havido "traição".

Então, vamos contar como foi tudo né? Tô devendo isso a vocês.
No post passado, Ausente por mim , eu falei que eu tinha algo pra falar a vocês, e que eu tava me preparando pra isso ainda. O fato é que sim, eu me separei!
O meu relacionamento com o pai do Pedro sempre foi muito exemplar, sempre teve muito respeito e muito amor também, nós éramos aquele casal de se invejar , de verdade ... O que aconteceu foi que de um ano pra cá, como ele trabalha fora, a gente se distanciou muito um do outro, as coisas meio que caíram na rotina e não pensávamos mais  um no outro, ou um na vida do outro de forma conjunta, e sim , ele na vida dele e a minha ficando parada.
A rotina foi acontecendo como um furacão, cada vez que se tentava resolver,  se percebia que as idéias cada vez mais não se batiam ... Ninguém é criança, todo mundo sabe quando as coisas já não caminham do jeito que caminhavam e além disso, se sabe também quando não se tem mais jeito.
Eu estava carregando( não financeiramente) em outros aspectos , o mundo e Pedro nas costas sozinha e meu marido não estava la pra me da suporte. Por Deus , quantas e quantas vezes eu precisei de um suporte, um apoio, em relação a subir na vida, em relação a tocar a minha vida ( estudo, trabalho, diversão) e não tive ?
Vilão e Vitima! Será que se pode tachar assim ? Acho que não !
Acho que eu posso simplesmente chegar e explicar a vocês que quando se da espaço em um relacionamento pra que o amor se acabe de alguma forma, não podemos controlar as coisas mais. O fato é : O amor esfriou ! Não tô falando do amor de amigo, ou amor de irmão... Tô falando daquele amor que e capaz de suportar o tão árduo e difícil laço que é o casamento. Esse , já não existia mais!
Casamento é renuncia, é união de idéias, é busca de soluções, é lutar um pela a vida do outro e isso também não estava acontecendo mais ..
Comete um engano grande quem acredita que quem saiu da relação "está numa boa". Ninguém fica "numa boa" em saber que sua família se desintegrou, que seu filho agora vai ter uma outra visão de um novo modelo de família, só que também pessoal, eu não podia tá vivendo de fachada, status, ou coisa do tipo. Gosto de ser feliz e de mostrar que estou, não de fingir que estou !
A decisão foi minha, é verdade, mais não por que eu procurei, e sim porque ele procurou, ele fez por onde, eu ja vinha avisando a muito tempo que algumas coisas precisariam mudar e não mudaram, então chega uma hora que você cansa de bater na mesma tecla e decidi, e foi o que aconteceu, sem receio nenhum, porque a felicidade do meu filho e a minha é mais importante do que qualquer outra coisa. 
Numa relação estável, que começou com a intenção de que fosse o mais duradoura possível, é claro que ambos caminham na direção de solidificar o casal. Espera-se que o amor seja para todo o sempre  mesmo e por mais que se fique atento à evolução do relacionamento, o amor, o tesão, o interesse por perpetuar o vínculo pode acabar de um dos lados. E a ausência de um dos lados contribui muito pra isso. Foi o que aconteceu !
Quem deixou de amar também se frustra. Quem deixou de amar não gostaria de ter deixado de amar, mas não se trata de uma decisão, isso simplesmente acontece porque a outra pessoa deu o espaço e motivo pra isso. Vasculhei dentro de mim por longos meses para reencontrar uma solução ou um desejo de lutar por aquele sentimento dos primeiros tempos mas não encontrei ... porque ele era um péssimo marido ? Não! Ele era excelente em muitas coisas, e um pai perfeito também, mas o mais importante , ele não iria mudar, e só eu que tinha noção disso. 
Quem deixou de amar também perdeu um amor e passa um longo tempo muitas vezes se culpando, antevendo a dor de seu ex parceiro, desejando evitar que ele se magoe, como eu estava me sentindo, mais parei pra pensar que e melhor que um relacionamento se acabe com o mesmo respeito que sempre se andou, é importante que eu me sinta feliz, me sinta mulher, me sinta amada. E muitas vezes, na tentativa de negar que os sentimentos apenas acabaram, naquela velha ladainha de que é preciso haver um motivo para a separação, que não basta que o amor e o desejo tenham se esgotado, cometem-se equívocos de pessoas lhe jugarem, lhe tacharem como isso e aquilo ou até mesmo perguntarem : Mais tem outro ? Pessoal, outro é consequência, eu sempre digo por onde eu vou que , primeiro : Não se ama dois ... Segundo : Se se ama um segundo, é porque não se ama mais o primeiro e Terceiro e não menos importante : Só se ama outro se o que se estar tiver dado espaço pra isso acontecer , no mais ... é só! 
Ninguém acorda pela manhã com a descoberta de que deseja se separar. Isso é um processo, vamos nos percebendo aos poucos. Quem passa por essa experiência se submete a um recolhimento reflexivo  porque muitas vezes não consegue aceitar facilmente a realidade de seus sentimentos. Eu passei por isso durante esse tempo e estou aqui pra anunciar diante mão minha separação ja adiantando que estou bem, e estou satisfeita com a decisão, foi melhor pra ele, pra mim, e pro nosso filho !
O ditado que diz que "quando um não quer dois não brigam" #aplica-se perfeitamente nos casos em que o desejo de separar-se é unilateral. Quando um dos dois lados chega a comunicar essa decisão, isso já foi longamente maturado - e sofrido. 
Começo, meio e fim. Mesmo as relações que duram "até que a morte nos separe" sofrem pequenos lutos no meio do caminho.
E o objetivo dessa postagem é dizer que, se você está disposto(a) a seguir em frente, tocar sua vida, você conseguirá. Tudo depende de sua postura diante do que acontece. Sou testemunha que, para alguém "aparecer" em sua vida, você precisa estar aberta, disponível. Caso contrário, não conseguirá perceber as oportunidades que a vida te der. Pode ser que você demore mais que eu a se "disponibilizar", não importa, cuide de você, do seu jardim e as borboletas aparecerão. 
Já falei aqui diversas vezes, mas não canso de repetir: cuide-se, cuide-se!!
 Alguém pode estar pensando que "dei sorte". 
Não, o que estou vivendo hoje, sem falsa modéstia, é resultado de tudo que fiz por mim. Não sei quanto tempo vai durar, mas, só de estar me fazendo acreditar novamente, já está valendo.
Em breve teremos novidades aqui.
Beijo grande, muito obrigado aos apoios,  Thais Lima ;*
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Mãe com Salto Alto. Todos os direitos reservados.
Editado por: La Cerejinha Design.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo