21 setembro 2015

Já ouviram falar na Eritroblastose fetal ?

Oi gente ! 

No post de hoje vim falar sobre um assunto que já queria falar aqui mais estava sem tempo.

Já ouviram falar da Eritroblastose fetal ?

O problema se manifesta durante a gravidez de mulheres RH negativo (como eu)  que estejam gerando um filho RH positivo ( que não foi o caso do Pedro). 

Eritroblastose fetal, também conhecida como Doença hemolítica do recém-nascido é causada pela incompatibilidade sanguínea do Fator RH entre o sangue materno e o sangue do bebê. 

Para que isso aconteça, o pai da criança precisa necessariamente ter o Fator RH positivo.

Vou explicar mais ou menos como acontece se o bebê for fator RH positivo : As hemácias do feto, que carregam o Fator RH positivo desencadearão um processo no qual o organismo da mãe começará a produzir anticorpos. Estes anticorpos chegarão até a circulação do feto, destruindo as suas hemácias. É desta maneira que a Eritroblastose se origina.

A Eritroblastose fetal pode causar a morte do feto durante a gestação ou depois do nascimento. Outras conseqüências da doença podem ser deficiência mental, surdez, paralisia cerebral e icterícia.

Não sei se comentei aqui antes, eu sou fator RH negativo e o que se temia no dia do meu parto era que o Pedro fosse RH positivo e eu ainda não tinha tomado a vacina de prevenção gamaglobulina anti- RH, e no dia eu me desesperei né ? Porque a vacina demoraria pra chegar e eu só teria a maternidade ( ISEA) como saída ao parto até pela segurança e prevenção. 



Para determinar a gravidade do problema, é possível fazer exames através do líquido amniótico. O tratamento de bebês que nascem com o problema pode incluir uma transfusão total de sangue. O bebê recebe sangue RH negativo, que não é destruído pelos anticorpos da mãe presentes no recém nascido, pois não têm o antígeno. Depois de um certo tempo, as hemácias RH negativas do bebê são totalmente substituídas por outras RH positivas.

Hoje estava conversando com uma amiga sobre isso e comentamos que muita gente ainda tem dúvida de como agir e se proteger da eritroblastose fetal, mais é simples : 
a mãe RH negativo que tem parceiro RH positivo pode receber gamaglobulina anti-RH por via injetável logo após o nascimento do primeiro bebê RH positivo. Essa substância bloqueia o processo que produz anticorpos contra o sangue RH positivo do feto. A mãe recebe uma dose passiva temporária de anticorpos que destroem células sanguíneas RH positivo, impedindo assim que a mãe produza anticorpos permanentes. Simples !

O pedro nasceu fator Rh negativo ( O-) igualzinho a mamãe , e eu fiquei muito feliz de saber que alguém em minha família teria o mesmo tipo sanguíneo que eu, já que só o meu filho, e a minha avó que faleceu é que poderiam me contemplar caso precisasse. 

Vocês sabem mais ? Deixa aqui algo sobre o assunto, vou adorar ler sobre ! 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
© Mãe com Salto Alto. Todos os direitos reservados.
Editado por: La Cerejinha Design.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo